terça-feira, 10 de novembro de 2009

PARA PODER MORRER

"Para poder morrer
Guardo insultos e agulhas
Entre as sedas do luto.
Para poder morrer
Desarmo as armadilhas
Me estendo entre as paredes
Derruídas
Para poder morrer
Visto as cambraias
E apascento os olhos
Para novas vidas
Para poder morrer apetecida
Me cubro de promessas
Da memória.
Porque assim é preciso
Para que tu vivas."
(Hilda Hilst)

Um comentário:

Graça disse...

Lindo esse poema!!!