terça-feira, 18 de março de 2008

NAMORADO

"Namorado é a mais difícil das conquistas.
Namorado não precisa ser o mais bonito,
mas ser aquele a quem se quer proteger
e quando se chega ao lado dele a gente treme,
sua frio e quase desmaia pedindo proteção.
Quem não tem namorado é quem não tem amor
é quem não sabe o gosto de namorar.
Não tem namorado quem não sabe o gosto de chuva,
cinema sessão das duas, medo do pai,
sanduíche de padaria ou drible no trabalho.
Não tem namorado quem transa sem carinho,
quem se acaricia sem vontade
de virar sorvete ou lagartixa
e quem ama sem alegria.
Não tem namorado quem faz pacto de amor
apenas com a infelicidade.
Não tem namorado
quem não sabe o valor de mãos dadas;
de carinho escondido na hora em que passa o filme;
de flor catada no muro e entregue de repente;
Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado,
de fazer cesta abraçado, fazer compra junto.
Não tem namorado
quem não gosta de falar do próprio amor,
nem de ficar horas e horas olhando
o mistério do outro dentro dos olhos dele,
abobalhados de alegria pela lucidez do amor.
Não tem namorado
quem não tem música secreta com ele,
quem não dedica livros, quem não recorta artigos;
quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar.
Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto
de ser lembrado de repente no fim de semana,
na madrugada, ou meio-dia do dia de sol
em plena praia cheia de rivais.
Não tem namorado quem ama sem se dedicar;
quem namora sem brincar;
quem vive cheio de obrigações;
quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.
Não tem namorado quem confunde solidão
Não tem namorado quem não fala sozinho,
não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.
Se você não tem namorado
é porque não descobriu que o amor é alegre,
é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho
necessário a fazer a vida parar
e de repente parecer que faz sentido..."
(Arthur da Tavola)

Um comentário:

Paulo Cesar disse...

Andrade

Conheci o teu blog hoje e numa primeira visão já deu vontade de acrescentar aos meus favoritos por conta dos textos reflexivos sobre o amor, esse amor que precisamos ter, realmente, como o alimento de nossas almas, para a vida valer a pena seja lá qual for o tamanho delas, mas sei que a sua carrega o tesouro da amizade, do apreço e do bem querer . São leituras para serem feitas nas pausas, com algum tempo necessário para a absorção do conteúdo, assim como todas as coisas boas da vida: um bom vinho, uma boa música, uma amizade.

Um grande abraço

Paulo César Matos