segunda-feira, 1 de março de 2010

UMA ESPERANÇA DE AMOR

"E foi um vento de esperança
que bateu minha porta
eu não sabia por isso não lhe disse nada
pensei que teria tempo
de sentar, se ajeitar,
sentir o gosto do descanso
mas como todo vento que balança
chegou, me balançou
e se foi.
era uma esperança de amor.
E vem depressa, passa como passa...
o pássaro..."
(Juliana Freitas)

2 comentários:

Olivia disse...

Luis! Até q enfim passei por aki pra dar uma olhada no seu "cantinho"! Q lindo! Parabéns pela idéia e pela escolha dos poemas. Gostei! Bjossss...

MARIA L. BÓZOLI disse...

Boa Noite......Beijos e poesia!
É sempre uma alegria passar por aki... M@ria