quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A PERFEIÇÃO DO GESTO...

"Exaspera-me, a estrita incumbência dos que vão chegando.
É como entrar numa sala vazia, tendo o meu eco por agasalho.
Depois da explosão de vida que me foste,
os outros não passam de balanço estatístico,
de contabilidade organizada, de um conjunto indistinto;
na melhor das hipóteses, de um qualquer nome colectivo.
Não te comparo: não foste melhor nem pior, não houve tempo.
Mas é como se todos os que te seguiram
fossem mulheres, crianças ou estátuas...
Tu foste o gesto, a absoluta coincidência da perfeição do gesto.
Foste o segundo que antecede a morte,
o relance do meu nascimento, o resíduo do primeiro beijo,
o resquício da dor de parto...
Foste uma boa idéia que dava um filme,
uma coreografia arrojada, uma música em estado de graça.
Depois de ti, os outros não passam de uma desculpa esfarrapada,
de verbos de encher os meus dias,
tempo a mais que tenho entre mãos.
Amo-os por bondade, como se me tivesse tornado freira,
voluntária em África ou puta altruísta.
Tamanho o buraco negro que escavaste em mim..."
(Sofia Vieira)

2 comentários:

FRANCISCO disse...

PERFEITO CARA... CADA UM DESTE POEMAS ME FAZ VIAJAR...VC ESCREVE EXATAMENTE O QUE SENTIMOS...VC É DE MAIS.

gig disse...

Luís, parabéns pelo seu Blog, são lindas as mensagens, difícil dizer qual a melhor. Bjs Elisabeth